Escrever

Muitas vezes ouço as pessoas, amigos, colegas e alguns outros dizendo que essa arte ou ofício que vem a ser a de escritor(a), é praticamente um dom, uma característica que poucos possuem de admirar, cativar e envolver o leitor numa história que essa pessoa mesmo criou. Nesse sentido, discordo plenamente, não acredito que essa capacidade de escrever seja limitado à poucas pessoas, mas que se estende para todo mundo.

Com o termo utilizado anteriormente, acabei respondendo a minha própria posição e questionamento, pois para mim é sim uma capacidade inerente a qualquer pessoa, não é para tanto que antes poucas pessoas se tornavam escritores(as) e em praticamente todos os casos não eram bem vistos ou com bons olhos. Entretanto hoje em dia basta somente ir para Livraria para ter certeza de que me encontro com a razão e a verdade, pois milhares de livros, de diferentes escritores irão estar espalhados por diversas prateleiras ao longo do estabelecimento.

Todos nós possuímos essa importante forma de manifestação de pensamento ou opinião acerca de um fato, de uma lenda urbana, de um filme, das recordações da vida e do passado e tantas outras fontes e formas diversas de se iniciar uma obra, um livro. Todavia o que acontece de fato é que para isso é preciso em certos momentos, de pesquisa, treino, dedicação e sempre acredita que pode melhora e que tem o dever de melhorar, de aperfeiçoar sua forma de escrita, utilizar palavras novas (não repetir as mesmas em tão curto espaço de texto, salvo se houver necessidade), se apto a receber criticas e dedicação plena sobre a obra, os personagens e a história.

Será nesse ponto que muitos irão desistir de escrever, não querem perder tempo escrevendo um livro, outro até começam, mas não se dedicam bastante ou não se importam muito qual será o resultado, o que importa é que enquanto houver vontade, essas pessoas estarão escrevendo, isso quando o início da obra, a parte intermediária ou o fim do livro não atrapalham a conclusão do mesmo. Quando isso é ultrapassado ainda vem a parte da publicação do livro, que independente da Editora não sai muito barato, e muitos desistem de escrever, não querem passar por esse processo todo.

Por fim, o que quis mostrar com esse texto é que isso – a capacidade de escrever – não se limita a um grupo celeto de pessoas, mas se estende para todo mundo, o diferencial é que esse grupo quis continuar a escrever e se deu bem (ou pelo menos se espera isso), e o resto quis servir pura e simplesmente de ávidos, ansiosos, empolgantes e amáveis leitores e nada mais. Porém, talvez para muitos escritores(as) é ter a alegria e ver que um dia, um dos seus leitores também se tornou um escritor(a) e que por isso mesmo decide que vai prestigiá-lo no lançamento de seu livro, isso se receber o convite ou tiver como saber do lançamento.

E então, quem aqui se candidata a ser Escritor(a)?

 

Anúncios